Arquivo da tag: Windows

Episódio 118 – Windows, os primeiros dez anos – Parte B

Bem-vindos ao episódio 118 do Retrocomputaria.

Sobre o episódio

Esse Windows 10 aí… não, ele não nasceu ontem. E este episódio é para contar os primeiros 10 (tá, 12) anos do ambiente/sistema operacional gráfico da Microsoft.

Nesta parte do episódio

Continuamos na família Windows 3.x, não sem antes dar mais uma passada no OS/2; depois, vamos no Windows NT 3.x e tomamos os caminhos de Chicago e Cairo rumo ao Windows 95.

Links do podcast

Música de fundo

Músicas de vários jogos CGA e provavelmente CANYON.MID e PASSPORT.MID.

Ouvindo este episódio offline

Baixe o ZIP, descompacte e ouça com seu tocador de música preferido.

Onde este episódio (e todo o Retrocomputaria) está disponível

Os episódios do podcast estão, como todo o conteúdo do Retrocomputaria, em muitos lugares: Spotify, YouTube, Google Podcasts, Apple Podcasts, Deezer e, usando nosso feed RSS, qualquer programa para escutar podcasts.

Seu comentário é o nosso salário

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

Episódio 118 – Windows, os primeiros dez anos – Parte A

Bem-vindos ao episódio 118 do Retrocomputaria.

Sobre o episódio

Esse Windows 10 aí… não, ele não nasceu ontem. E este episódio é para contar os primeiros 10 (tá, 12) anos do ambiente/sistema operacional gráfico da Microsoft.

Nesta parte do episódio

Depois de dois anos de idas, vindas, demos e vaporwares, falamos do Windows 1.0 (est. 1985), do Windows 2.0 (est. 1987), do OS/2 1.x (é, OS/2!) e Windows 3.0 (est. 1990).
Além disso, claro, o PROCESSINHO (de look and feel).

Links do podcast

Música de fundo

Músicas de vários jogos CGA e provavelmente CANYON.MID e PASSPORT.MID.

Ouvindo este episódio offline

Baixe o ZIP, descompacte e ouça com seu tocador de música preferido.

Onde este episódio (e todo o Retrocomputaria) está disponível

Os episódios do podcast estão, como todo o conteúdo do Retrocomputaria, em muitos lugares: Spotify, YouTube, Google Podcasts, Apple Podcasts, Deezer e, usando nosso feed RSS, qualquer programa para escutar podcasts.

Seu comentário é o nosso salário

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

Episódio 116 – Interfaces Gráficas – Parte B

retrocomputaria_vitrine_570x190

Bem-vindos ao episódio 116 do Retrocomputaria, começando nossa décima segunda temporada! Uau!

Sobre o episódio

Pixels! Ponteiros! Janelas! Menus! Botões! Diálogos! O que são? Como vivem? De que se alimentam?

Nesta parte do episódio

A Microsoft começa a se mexer, mais processinho, o jeito UNIX de fazer GUI, outras arquiteturas e filosofagens finais.

Links do podcast

Música de fundo

Músicas em baixa resolução… acho.

Ouvindo este episódio offline

Baixe o ZIP, descompacte e ouça com seu tocador de música preferido.

Onde este episódio (e todo o Retrocomputaria) está disponível

Os episódios do podcast estão, como todo o conteúdo do Retrocomputaria, em muitos lugares: Spotify, YouTube, Google Podcasts, Apple Podcasts, Deezer e, usando nosso feed RSS, qualquer programa para escutar podcasts.

Seu comentário é o nosso salário

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

GayBlade

Algo para comemorar e também relembrar a data de hoje, o Dia Mundial do Orgulho LGBTI.

Faz algum tempo que comentamos aqui sobre a recuperação do primeiro jogo LGBT que se tem notícia, o Caper in the Castro (1989), mas acontece que no começo deste ano foi a vez de GayBlade¹ (1992), jogo que se considerava perdido, ser recuperado e disponibilizado no Internet Archive².

GayBlade é um RPG desenvolvido por Ryan Best em 1992 e nele a imperatriz Nelda, foi sequestrada pelas forças da homofobia e é mantida cativa nas profundezas de um antigo e escuro labirinto povoado por televangelistas, caipiras, neonazistas e outras criaturas reacionárias. Sua missão, na companhia de um heroico grupo de  drags, queers, lésbicas  e outras/outros é resgatar sua amada imperatriz e devolvê-la ao castelo GayKeep.

(¹) Sim, o jogo cita o fato de ser o primeiro com temática LGBT mas eram um tempo pré-Internet e o autor não conhecia Caper in the Castro.

(²) Mais precisamente a versão 2.0 para computadores rodando Windows 3.1 e fornecida pelo próprio autor.

(Jason Scott no Twitter)