Arquivo da tag: Tutorial

Construindo o seu computador minimalista com BASIC

Começamos o ano de 2018 com um projeto de construção de um computador minimalista, rodando BASIC, baseado em 6 chips, inclusive um Motorola 6809. A comunicação é via porta serial, e você precisa de uma CPU, uma SRAM e uma EPROM. O usuário é o kodera2t, e isto está no Hackaday. Um bom projeto para começar 2018.

Segue o vídeo abaixo:

Dica vinda do Vintage Is The New Old.

The Tracker’s guide to MSX music with MuSICA.

O usuário Kumokosi disponibilizou no Twitter um documento de 7 páginas falando sobre composição de músicas usando o editor MuSICA, que trabalha com o formato MML. Está em (bom) inglês, vale a leitura se você tem interesse em fazer seu MSX tocar alguma coisa sua, e não ficar só ouvindo músicas do Moonblaster, MGSel, VGMPLAY e outros. O documento está aqui.

Retrobright – a saga – parte 4 de 4 (problemas e conclusões)

Problemas…

Remontando o teclado.

Bem, fui remontar o teclado… E o problema foi a barra de espaço. Como ela é muito grande, ela empenou. Se eu a deitasse numa mesa e apoiasse em um dos lados, o outro lado levantava. Empenou lateralmente, e também empenou “de cima pra baixo”. E agora, como corrigir?

Bem, primeiro peguei um pequeno torno, o mesmo secador de cabelos descrito anteriormente e tentei aquecê-la para colocá-la no seu lugar. Começou a detonar a parte de dentro da barra de espaço (mas também, o secador da madame é quase um soprador térmico!). Depois, parti para o Youtube, para ver mais vídeos a respeito. Um deles sugeriu esquentar água, colocar lá dentro (até amolecer o plástico), remover, forçar (com as mãos mesmo) e depois colocar numa tigela com água fria. Tentei isso, e melhorou um pouco.

Continue lendo Retrobright – a saga – parte 4 de 4 (problemas e conclusões)

Retrobright – a saga – parte 3 de 4 (explicações e o teclado)

Explicações

Segundo li e principalmente vi (devo ter assistido quase todos os vídeos sobre retrobright que há no Youtube), a ideia da caixa de papelão grande e do rolo de papel alumínio foi para maximizar a radiação ultravioleta do sol. Logo, a sugestão era forrar a caixa de papelão com papel alumínio, e colocar as peças dentro. Ao colocar a caixa no sol, o papel alumínio refletiria a radiação e “iluminaria” melhor a peça. Na prática, pouco adiantou o papel alumínio + a caixa de papelão. Logo, acho desperdício, não acho que seja necessário.

Continue lendo Retrobright – a saga – parte 3 de 4 (explicações e o teclado)

Retrobright – a saga – parte 2 de 4 (Preparação)

Continuando a saga, dessa vez deixei de lado alguns medos:

  1. O primeiro foi de desmontar todo o micro. Na primeira vez, eu só fiz retrobright na tampa superior do micro, e lavei as teclas. O micro ficou bicolor, claro em cima e escuro embaixo. Dessa vez, tomei coragem e desmontei todo o micro, mesmo cheio de gambiarras características únicas: Esse SVI-738 foi transformado em MSX 2, o drive lê discos DD (720 Kb, embora eu nunca tenha usado o drive dele), tem um botão de reset e uma saída RGB (tenho os cabos mas nunca usei). O teclado, em compensação, continua duro. Mas fiquei com medo de romper um dos vários wire-ups que ele tem. Felizmente, nenhum se rompeu.
  2. O segundo foi o medo de empenar o gabinete. Sério, na outra vez foram só 15 minutos de sol, no mais puro medo. Dessa vez resolvi deixar mais tempo no sol, mesmo ficando de olho nele, pra garantir que ele iria clarear mesmo.
  3. O terceiro foi o medo de perder algum parafuso, ou mola, ou presilha. Fiz todo o processo devagar e com calma. Usei vários potes para separar os parafusos, presilhas e a mola da barra de espaços. E essa garotada leite com pera não sabe o que é desmontar um micro desses, usa 4 parafusos pra fechar um gabinete mini-ATX… Eu contei 34 parafusos nesse micro. Sim, trinta e quatro. Se bem que eu acho que a minha contagem ficou aquém do número real, desconfio que na verdade eram mais…

Continue lendo Retrobright – a saga – parte 2 de 4 (Preparação)

Retrobright – a saga – parte 1 de 4 (o início e a descoberta)

Pois é, todo mundo (ou quase todo mundo) deve lembrar do meu primeiro post sobre retrobright, e minhas aventuras no universo do clareamento de plástico ABS. Ocorreu tudo muito bom, tudo muito bem… Mas o micro voltou a amarelar. Sim, meu SVI-738 (um MSX 1 da Spectravideo, modificado para ser um MSX 2) voltou àquela cor de “computador velho“.

Então decidi fazer um retrobright que fosse definitivo, ou quase. E fui à luta.

Continue lendo Retrobright – a saga – parte 1 de 4 (o início e a descoberta)

Resoluções de Ano Novo – programação

programacaoEntão, você amanheceu hoje e pensou: “É… Eu vou desenvolver um jogo para uma plataforma clássica“. Muito nobre de sua parte, você parou de enrolar procurar desculpas e resolveu fazer algo. Mas você não irá fazê-lo imediatamente, vais precisar de algumas dicas, ou de um tutorial completo. E não sabe por onde começar? Abaixo vão algumas dicas.

Continue lendo Resoluções de Ano Novo – programação

Tens Mac? Queres desenvolver para Apple II? Pois leia.

ogolDepois da epifânica viagem, parece que Quinn Dunki realmente foi mordida pelo bicho da maçã. Resolveu que quer desenvolver em Assembler de 6502 (já muito bem aplicado na Veronica), mas deste vez para a criação de mestre Woz. Com este fim, ela montou um ambiente de desenvolvimento muito prático no Mac dela, que está à disposição de donos de Macintosh modernos neste link. Se um ambiente parecido pode ser replicado em PCs rodando Linux ou Windows, fica como exercício para o leitor.

Apple IIe

Revivendo o Jeito Borland de ser e largando o dedo nos nazistas. Tem coisa melhor?

E aí, que tal uma partida de Wolfenstein 3D? Melhor, que tal jogar a boa, velha e clássica (porque seu PC pode ser velho, mas muitos dos jogos pra PC são clássicos) versão que saiu para DOS no começo da década de 1990? E que tal aumentar o desafio e compilar seu próprio executável a partir do código fonte original (graciosamente disponibilizado pelos seus criadores) e diretamente em Borland C++ 3.1? Achou o desafio legal? Basta seguir este tutorial de Fabien Sanglard e se divertir com o resultado final!
Continue lendo Revivendo o Jeito Borland de ser e largando o dedo nos nazistas. Tem coisa melhor?

Tudo sobre NTSC, shplicadim

Série de oito posts no blog de Sagar GV explicando tudo, absolutamente tudo o que você poderia querer saber sobre a geração do vídeo de tantos desses nossos queridos computadores e videogames clássicos. No final, ele mostra um circuito para gerar NTSC com um microcontrolador ATmega16. (Cujo esquema e firmware você pode baixar aqui.)
Continue lendo Tudo sobre NTSC, shplicadim