Arquivo da tag: MSX 1

Repórter Retro 074

O Seu Repórter Retro

Bem-vindos à edição 074 do Repórter Retro.

Links do podcast

Música de fundo

Hard Chiptune Mix 2

Ouvindo este episódio offline

Baixe o ZIP, descompacte e ouça com seu tocador de música preferido.

Onde este episódio (e todo o Retrocomputaria) está disponível

Os episódios do Repórter Retro estão, como todo o conteúdo do Retrocomputaria, em muitos lugares: Spotify, YouTube, Google Podcasts, Apple Podcasts, Deezer e, usando nosso feed RSS, qualquer programa para escutar podcasts.

Seu comentário é o nosso salário

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

Lunar Rescue para MSX (e parentes próximos)

Em desenvolvimento, e já bem avançado, por Tony Cruise do canal Electric Adventures. Este jogo clássico da Taito apareceu nos fliperamas brasileiros ao mesmo tempo que o Space Invaders (embora seja um ano mais recente). Na verdade, foi o primeiro jogo dotado de microprocessador no qual este humilde escriba botou as mãos sujas, lá pelos idos de 1979.

A adaptação para a tela horizontal e a adição de cores ficaram, na minha humilde opinião, muito boas.

A ideia é lançar simultaneamente versões para MSX1, ColecoVision e SVI-328, três arquiteturas muitíssimo parecidas. Nos comentários do YouTube sugeri incluir Sega SG-1000, igualmente similar, e o Tony mostrou-se aberto à ideia. Aguardamos ansiosamente a versão final.

(Via Clube MSX)

Aventuras em radiofrequência com um Paxon.

Semana passada eu contei para vocês da epopeia do Fabio Santos, no processo de restauração do teclado do meu Paxon PCT-50, estrelinha fácil nos meus relatos retrocomputacionais aqui vistos.

Pois então, sempre me intriguei com ter aquela televisão de 12 polegadas com um MSX embutido em casa… E só usar para ligar um único MSX. Qual? Ele mesmo. O modelo seguinte, o PCT-55, já tem uma entrada RGB traseira, mais RAM (32 Kb) e é menos pesado. Mas quis a sorte, a fortuna, Deus, o acaso… Que esse PCT-50 fosse meu. Bem, a compra dele vocês sabem do relato, está aqui.

Mas eu fiquei encucado… Será que dá para ligar algum MSX via RF? Será que é possível fazer alguma adaptação? Bem, resolvi arriscar um pouco.

Continue lendo Aventuras em radiofrequência com um Paxon.

RFyG nosso: Restauração do teclado do Paxon.

Este relato é um Rise From your Grave (RFyG), só que brazuca, mas não feito por mim, mas pelo amigo e ouvinte Fábio Santos. Bem, vocês devem lembrar que o teclado do meu MSX 1 Paxon PCT-50 (aqueeeeeele, lembram?) estava esquisito, cheio de pontos de ferrugem e com várias teclas sem funcionar. E pra piorar, o teclado é composto de uma placa metálica, onde estão as chaves de contato. E, abaixo dele, a placa de circuito impresso (PCB) onde as chaves de contato estão soldadas. Ou seja, as chaves estão presas na placa metálica e no PCB. Cada chave tinha pelo menos 3 soldas, se são tipo 60 teclas… 180 soldas a serem removidas e 180 soldas a serem feitas. Nada animador, pelo visto.

Pois então, numa conversa no grupo de WhatsApp de MSX, o Fábio Santos disse que encararia a empreitada de dar um trato no meu teclado, se eu quisesse. Sem pensar duas vezes, empacotei o teclado e mandei para ele pelos Correios.

O que temos abaixo é o relato dele e escrito por mim, sobre a situação do paciente e as suas respectivas ações para minimizar e resolver o problema. Vamos lá…

Continue lendo RFyG nosso: Restauração do teclado do Paxon.

Repórter Retro 065

O Seu Repórter Retro

Bem-vindos à edição 065 do Repórter Retro.

Links do podcast

Música de fundo

Músicas sortidas

Ouvindo este episódio offline

Baixe o ZIP, descompacte e ouça com seu tocador de música preferido.

Onde este episódio (e todo o Retrocomputaria) está disponível

Os episódios do Repórter Retro estão, como todo o conteúdo do Retrocomputaria, em muitos lugares: Spotify, YouTube, Google Podcasts, Apple Podcasts, Deezer e, usando nosso feed RSS, qualquer programa para escutar podcasts.

Seu comentário é o nosso salário

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.