Arquivo da tag: fita cassete

[UPDATE] Informe da Secretaria Municipal de Saúde de Retrópolis

Aquilo que a gente vive falando no podcast é brincadeira, viu? Não tome chá de fita cassete!

Dica da nossa parça Tat Kawamoto. (Original)

[UPDATE] Acredite se quiser, teve mesmo uma tese de doutorado da Unicamp falando nisso. Dica do parça Alfredo “CRT Man” Henríquez.

Repórter Retro 074

O Seu Repórter Retro

Bem-vindos à edição 074 do Repórter Retro.

Links do podcast

Música de fundo

Hard Chiptune Mix 2

Ouvindo este episódio offline

Baixe o ZIP, descompacte e ouça com seu tocador de música preferido.

Onde este episódio (e todo o Retrocomputaria) está disponível

Os episódios do Repórter Retro estão, como todo o conteúdo do Retrocomputaria, em muitos lugares: Spotify, YouTube, Google Podcasts, Apple Podcasts, Deezer e, usando nosso feed RSS, qualquer programa para escutar podcasts.

Seu comentário é o nosso salário

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

E se foi o “pai” do PRESS PLAY ON TAPE.

Não, gente, Jack Tramiel e Chuck Peddle já não estão mais entre nós. Mas nós chegamos atrasados… E relatamos o falecimento de Lou Ottens, o engenheiro holandês que criou a fita cassete, e que fez a alegria (e causou a ira) de muita gente como a sua primeira mídia de armazenamento de música e de dados. Quem não teve as suas fitas cassete para salvar seus primeiros programas em BASIC, quis pisar no gravador devido ao ajuste (errado) do azimute e reclamou horrores da baixa taxa de transferência?

Se você não passou por isso, sua existência foi mais fácil nessa época. Lamento muito, pois as fitas cassete forjaram profissionais que desenvolveram a paciência de um monge budista e uma fé inabalável na tecnologia de então. O jogo seria carregado e não veríamos a mensagem: ERROR na tela.

Mas era o que tínhamos na época. Assim que pudemos, saímos desse meio para irmos para outro meio de armazenamento, o disquete… Mas nos anos 1990, muitos nos IBM-PCs multimídia, começaram a usar outra mídia de armazenamento de massa que Lou participou no projeto: O CD.

Como você pode imaginar, Lou era engenheiro da Philips e chegou a ser chefe de desenvolvimento de produtos da multinacional de origem holandesa. A fita cassete foi criada por ele lá em 1960, depois da sua insatisfação com as fitas de rolo para ouvir música, e a não existência de outro meio ainda o fez criar a fita cassete: Uma mídia que cabia no bolso da sua jaqueta – que foi o modelo para o tamanho da fita.

Segundo o site Tenho Mais Discos Que Amigos (isso porque eles não são o Roberto Carlos) , foram vendidas mais de 100 milhões de fitas cassete — e este é um número que está aumentando, em pleno 2021, devido à repopularização do formato como alternativa ao consumo digital.

E eu falei do CD, né? Pois é, Lou também fez parte do time que desenvolveu os compact disks, nos anos 1970.

Lou Ottens faleceu aos 94 anos de idade no sábado, dia 6 de março de 2021.

Sorria se você sabe o que essa imagem significa.

Masoquismo do dia: Usando fita cassete num IBM PC original

O IBM PC original (ouça a parte 1 e a parte 2 do nosso dossiê) saiu com interface de cassete e BASIC em ROM, como quase todos os outros computadores pessoais da época. Só que ninguém usava cassete no IBM PC, todo mundo botava ao menos um drive de disquete. Todo mundo… até agora.

No momento em que escrevo, este vídeo ainda não está com legendas, então peço desculpas aos não-angloparlantes. Aliás, desculpas não, toma tendência e se matricula num curso de inglês.

Com direito a sintetizar música pelo gravador!

(Via Ronaldo Gazel no grupo Retrocomputaria do FB)

Mosca Branca do dia: Interact Home Computer

Máquina de 1978, com processador Intel 8080, 2 KB de ROM, 16 KB de RAM, e sem sequer BASIC na ROM — tem que ser carregado de fita. Adquirida por um membro da comunidade Retrocomputers do Facebook em Portland, Oregon. Detalhe: veio com fitas e manuais — dos quais não há cópia digitalizada em lugar nenhum! Naturalmente, pedi ao comprador que escaneasse. Espero que ele se sensibilize com o pedido.

UPDATE: Se necessário for, eu tenho um tarficante de dorgas pesadas em Portland disposto a ajudar. Por Júpiter, será que os bons tempos estão voltando?

(Via)