Parça e1000 traz notícias da terra de Max Verstappen

(UPDATE: O link do álbum de fotos estava dando erro. Consertado. Obrigado ao Bruno Alves pelo toque nos comentários.)

Emiliano Fraga, ouvinte, leinte, comentante e parça de longa data, mora na Holanda e foi à MSX Nijmegen 2021, que aconteceu neste último 16 de outubro. Passo-lhe, pois, a palavra:

Olá pessoal,

Segue um resumo bem resumido sobre o encontro. Esta foi a terceira vez que vou à Nijmegen, fui em 2019, 2020 e agora em 2021. Além deste relato vou compartilhar com vocês o álbum no Google Photos. O relato abaixo está na ordem das fotos no álbum.

Vocês podem divulgar ou publicar se desejarem. Eu pretendo publicar no meu blog abandonado, mas o Retrópolis terá primazia. (N. do Ed.: ❤️)

Abração, Emiliano

1) MSXVR

  • Trata-se de um SO Linux rodando provavelmente sobre algum ARM da vida;
  • O acabamento do HW é muito bom;
  • Teclado de qualidade;
  • Nada de impressão 3D ou peça colada;
  • O sistema operacional está muito bem integrado ao HW, teclado, slots, portas etc;
  • É possível habilitar / desabilitar os slots pressionando um botão no gabinete, não precisa desligar para trocar de cartucho;
  • O sistema operacional permite rodar o MSX BASIC 5.0 e VR BASIC 1.0.2109 como um processo tela cheia;
  • O sistema operacional permite rodar o MSXVR-DOS 1.0 também como um processo tela cheia;
  • O sistema operacional roda os cartuchos de MSX, mas também roda ROMs e DSK que forem lidos do SD, dispositivo USB ou que forem baixados pela Internet;
  • O MSXVR possui um catálogo online de jogos de MSX que pode ser baixado e atualizado na máquina;
  • Também roda ROMs de outras plataformas como Speccy, C64, Apple etc. Por que será né?
  • A máquina possui diversas portas USB, WiFi, Ethernet, saída para fones de ouvido, entrada para microfone, cartão SD, uma expansão DB-37, enfim um monte de portas (vejam nas fotos);
  • Sim, repito, no final é um emulador, mas as características / qualidade do hardware, e a integração com o SO/”MSX” são surpreendentes.

2) Cartuchos e jogos para MSXVR

  • Disponíveis:
    • Operation Pig
    • KMare
    • Sky Jaguar 2
    • Metal Dragon
  • Pude ver e testar dois jogos:
    • Sky Jaguar 2
    • KMare
  • Todos os cartuchos são no formato MSX:
    • Ou seja, podem ser conectados no MSXVR ou num MSX comum;
    • Se usados no VR, gráficos e sons são bem melhorados, creio que equivalentes à aos videogames de 32 bits;
    • Alguns cartuchos também rodam no MSX, mas apresentam uma versão para MSX (lógico);
    • Mas esta “dualidade” dos cartuchos, que rodam em ambas as máquinas também me chamou a atenção.

3) MSX instalado em gabinete arcade “bar top”

  • Trata-se de um gabinete original do Twin-Bee (Konami);
  • O cidadão instalou um MSX;
  • Monitor CRT bem nítido (a foto não faz jus);
  • Controle e botões super precisos;
  • Uma delícia para jogar.

4) “Cassino” no Hamlet

  • Nosso colega Hamlet montou um cassino com MSX para o pessoal brincar.

5) Um estande com coisas diversas como:

  • Uma placa de genlock para a V9990 da Sunrise;
  • Um Sanyo PHC-70FD2 novinho na caixa;
  • Um raríssimo SVI-838, híbrido PC e MSX.

6) Home Computer Museum

7) Supersoniqs

  • Representado por Sander van Nunen;
  • Darky;
  • Ghost’n Goblins;
  • Sony HB-701FD.

8) MSX Translations

9) Algum impostor fez um Flappy Bird

  • Acho que é a versão do SymOs

10) Snatcher Act 3 e Doh No Grams (um Picross)

  • Acho que ambos são jogos em BASIC;
  • O “Doh No Grams” tenho certeza de que é em BASIC.

11) Magnífico jogo de tabuleiro do Zaxxon

12) Diversos cartuchos com jogos lançamentos (ou nem tanto)

  • Menção honrosa para o Relevo’s Snowboarding
    • Caixinha fantástica, todos os detalhes de um jogo da Konami.

13) Engine para renderização de imagem animada com scroll (8×8) para Screen 8

  • Autor: Stephan (Nop)
  • ASM Z80 montado pelo glass
  • O engine é capaz de apresentar a imagem animada, permitindo que o usuário faça o scroll usando as setas cursoras
  • Funciona em qualquer MSX2 ou superior, com 512KiB RAM e 128KiB VRAM
  • A imagem pode ter dimensão maior do que 256×212
  • A imagem deve ser tratada antes por um sw (C# para Windows)
  • Este sw reduz a quantidade de cores da imagem (com ou sem dithering)
  • Este sw tb gera animações à partir de um gif
  • O sw processa as imagens, com as cores já reduzidas para 256
  • O sw decompõe a imagem em tiles (blocos 8×8)
  • O sw cria uma biblioteca interna destes tiles
  • De forma que, para cada tile encontrado o sw procura pelo análogo mais próximo
  • Assim, tiles semelhantes são descartados, apenas um é utilizado
  • Ao final deste processo o sw gera um arquivo que enfim é lido pelo engine no MSX

14) Jogo em desenvolvimento “Sales Discontinued”

  • Autor Maarten (Nop)
  • Adventure gráfico (point and click)
  • ASM Z80
  • Funciona em qualquer MSX2 ou superior, com 512KiB RAM e 128KiB VRAM com leitor de SD, CF ou HD
  • Utiliza o engine de telas anmadas apresentado acima
  • Possui recursos gráficos como:
    • oclusão de sprites;
    • scaling do sprite na tela;
  • O jogo está bem completo, quase pronto
  • Possui sistema de inventário
  • Possui sistema de diálogo e escolha das ações
  • Funciona com mouse, não perguntei se tb aceita joystick ou teclado, provavelmente sim
  • As telas do jogo são geradas no PC, com separação de planos para os objetos à frente
  • O jogo possui uma linguagem script própria
    • Baseado no AGI da Sierra
    • Compilado no PC direto para ASM Z80
    • O script portanto não é interpretado pelo MSX, roda direto
  • Previsão de lançamento: próxima MSXDev
  • Distribuição: download

15) Adaptador USB para porta joystick da Nop

16) Assembler, monitor, debugger Compass para MSX tornou-se gratuito

17) gaMeS eXperience

  • Museu de MSX, computadores e outros consoles clássicos
  • Proprietário / Curador: Bas e Ditta
  • Localização: Hoorn

18) Um MSX FPGA minúsculo em case de alumínio

19) Estande de Bas com muitos itens e peças à venda

20) SchneiderCPC rodando Symbos

21) Prodatron jogando xadrez no Symbos com um colega

22) Bas

23) Ditta

24) Manuel Bilderbeek

Sobre Juan Castro

Juan Castro é uma das mentes em baixa resolução que cometem o Retrocomputaria – a única cujo Micro Formador não foi o MSX (e sim o TRS-80). Idealizador, arquiteto e voz do Repórter Retro. Com exceção do nome, que foi ideia do Cesar.

5 pensou em “Parça e1000 traz notícias da terra de Max Verstappen

  1. – O Bas tem um irmão chamado Asm;
    – A Ditta tem uma irmã chamada Cujja;
    – O Manuel Bilderbeek tem um irmão chamado Joaquim Bilderbeek.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.