Episódio 98 – Classic Macintosh – Parte B

retrocomputaria_vitrine_570x190

Bem-vindos ao episódio 98 do Retrocomputaria.

Sobre o episódio

Falamos de Apple. Falamos de Macintosh. Falamos de Apple Macintosh. Mas só se tiver 68K; se tiver PowerPC ou Intel, é em outro podcast.

Nesta parte do episódio

Continuamos no desktop publishing para poder passar pra frente: as máquinas sucessoras do Mac clássico, os clones (e sim, tem promessa!), o que a gente não conseguiu colocar em outros pontos da pauta e o legado.

Links do podcast

Música de fundo

Tem o chime clássico de Mac e mais umas músicas aí.

Outras formas de ouvir

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

Sobre Cesar Cardoso

Cesar Cardoso é uma das mentes em baixa resolução que cometem o Retrocomputaria. Editor do RetroBits, publicador de posts e chato em geral.

6 pensou em “Episódio 98 – Classic Macintosh – Parte B

  1. Adendo: Jecel mostrou mesmo! E o Trucco também teve que inverter/atrasar clock nas ZXsp.

  2. O Mac II e o SE foram lançados no mesmo dia. O SE permitia a instalação de uma placa interna ligada nos pinos do 68000, tornando oficial uma opção que era usada nos modelos anteriores (e também no Amiga).

    No início dos anos 1990 o consenso era que um monte de computadores 68000 diferentes não tinham chance contra um monte de computadores x86 compatíveis. Então clones viraram moda. A primeira foi a Sun que liberou clones Sparc. A maioria das empresas que tentaram isso não se deram muito bem tendo tecnologia sempre atrasada em relação à Sun.

    A Microsoft e a MIPS tentaram criar um padrão chamado ACE que seria uma espécie de MSX de 32 bits: https://en.wikipedia.org/wiki/Advanced_Computing_Environment

    No caso do PowerPC tivemos duas tentativas: PowerPC Reference Platform (PReP) e Common Hardware Reference Platform (CHRP) que rodariam Mac OS, Windows NT, OS/2, AIX e um sucessor do OS/2.
    https://pt.wikipedia.org/wiki/PReP
    https://en.wikipedia.org/wiki/Common_Hardware_Reference_Platform

    A idéia de liberar clones do Mac estava embutida nestas iniciativas. A Apple tinha esperança de poder focar nos computadores de luxo enquanto os clones baixariam os preços das máquinas populares. Ao invés disso aparecerem clones com dois processadores e outras coisas ainda mais avançadas que a Apple. Eles estavam brigando contra a Apple e não contra os PCs.

    1. O Steve Jobs não podia simplesmente cancelar contratos válidos quando voltou para a Apple, mas percebeu que estes contratos não falavam nada sobre tecnologias futuras. Assim ele não precisava fazer nada e os clonadores ficariam limitados ao Mac OS 7 e aos PowerPC de primeira e segunda geração (601, 620, 603 e 604). Ao deixar claro que isso iria acontecer a maioria dos clonadores desistiram e foram achar outra coisa para fazer.

      O Jobs adorava ser o cliente número um da IBM e ficou furioso ao ser rebaixado para número quatro com o lançamento dos 3 videogames com PowerPC. A Intel prometeu que ele sempre seria número um com eles (o que cumpriram até hoje) já que apesar dos Macs serem minoria no mercado de PCs, a Apple vendia mais que qualquer outro fabricante individual. As desculpas técnicas que foram dadas (o Core 2 permitia chips com consumo muito menor que o G5) só serviam para disfarçar que a decisão era uma questão de ego. O lançamento pela IBM menos de dois meses depois de um novo PowerPC de baixo consumo deixou isso bem claro.

  3. Eu lembro-me bem do impacto que senti ao ver um Macintosh rodando o MacPaint na FENASOFT de 1988… Parecia uma nave espacial, um outro nível comparado com os computadores disponíveis por aqui naquela época. Cheguei a ver um clone do Mac da Unitron em uma loja na av. Faria Lima e São Paulo, mas não estava ligado.
    Na época nós, os micreiros como éramos chamados, líamos sobre o Mac mas era muito difícil encontrar um assim ao vivo, até a literatura a respeito era bem limitada. Acho que se a Unitron tivesse lançado seu clone seria um sucesso total, mesmo com preços estratosfericos, tamanha era a curiosidade sobre esse equipamento.
    Eu pelo meu lado estava muito feliz explorando meu MSX e sabia que mesmo que fosse vendido no Brasil o Mac seria completamente inacessível para mim.

    1. Foi exatamente por isso que a Apple resolveu usar armamento nuclear (i.e. Reagan e o Congresso dos EUA) para aniquilar a ameaça.

  4. Pois o Mac512 e sequência foi algo que nunca entendi direito, por focar em desenvolvimento da tecnologia de ponta, sem um passo intermediário… bom, hoje cai domínio público.

    O ACE me permite uma reflexão. Parece uma fakenews armada pra agitar a NASDAC que atraiu executivos alpinistas, mas não desenvolvedores. Curioso adotarem MIPS e arbitrarem endianess.

Os comentários estão fechados.