Museu do Videogame Itinerante – 2017 e 2018

Chegou aquele período do ano onde alguns vão pra rua, curtir a festa de momo. Alguns ficam em casa descansando, se preparando para a loucura que será o ano. E ainda tem alguns loucos que saem de casa e vão a encontros retrocomputacionais (como alguns de nós).

Então, para abrir o sábado de Carnaval, enquanto as escolas de samba do Grupo Especial não entram na Marquês de Sapucaí, seguem fotos da exposição do Museu do Videogame Itinerante. Este museu é reconhecido pelo Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) e não tem sede fixa. Como o nome diz, é itinerante, fazendo exposições por todo o país. São mais de 300 equipamentos expostos, dos últimos 45 anos. Todos os nossos kudos ao Cleidson Lima, curador do museu.

Então, eles estiveram no Shopping Nova América, aqui no Rio de Janeiro, em 2017 e 2018. E eu fiz uma breve cobertura de fotos, que estão aqui (2017) e aqui (2018). Vale lembrar que pouca coisa mudou entre os anos, então o segundo álbum tem menos fotos, evitei tirar fotos redundantes.

O que vi de novo? Bem… Agora tem um Hotbit (MSX) exposto (com o cartucho do Magical Tree). O Expert continua lá, só que de novo com o mesmo erro (descubram qual é). Eu joguei um pouco em um PC-Engine (não, não tem fotos da minha perebice), e tem a foto que está aí embaixo… Além de várias outras.

Não, não é uma disputa em um Playstation 4. É uma partida de Street Fighter II sendo jogada em um SNES! Olha a multidão ao redor.

Tem um vídeo do nosso chapa Mário Cavalcanti, falando do evento, aí embaixo.

Confira a programação do Museu, visitando o site. Pode ser que ele esteja perto de você, então não perca a oportunidade!

PS: Sabe a foto que abre esse post? Então, fica como exercício para vocês descobrirem o que ele é… Dica: Não pertence ao acervo do museu, mas foi cedido por um colecionador chapa nosso. Comentem aí embaixo.

2 comentários sobre “Museu do Videogame Itinerante – 2017 e 2018

  1. Serei chato pois (como sempre) pois o correto seria “Museu Itinerante do Videogame” visto que o que é itinerante é o museu e não os videogames (exceto, claro, se constituíssem um museu de equipamentos portáteis).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *