Arquivo da tag: videogame

Museu do Videogame Itinerante – 2017 e 2018

Chegou aquele período do ano onde alguns vão pra rua, curtir a festa de momo. Alguns ficam em casa descansando, se preparando para a loucura que será o ano. E ainda tem alguns loucos que saem de casa e vão a encontros retrocomputacionais (como alguns de nós).

Então, para abrir o sábado de Carnaval, enquanto as escolas de samba do Grupo Especial não entram na Marquês de Sapucaí, seguem fotos da exposição do Museu do Videogame Itinerante. Este museu é reconhecido pelo Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) e não tem sede fixa. Como o nome diz, é itinerante, fazendo exposições por todo o país. São mais de 300 equipamentos expostos, dos últimos 45 anos. Todos os nossos kudos ao Cleidson Lima, curador do museu.

Continue lendo Museu do Videogame Itinerante – 2017 e 2018

Que tal um muito de música de PC-Engine?

O PC-Engine é um videogame feito pela NEC e que completou 30 anos no mês passado, em outubro. Então, para comemorar, o pessoal do PC Engine Software Bible fez um vídeo com músicas de chiptune executadas nesse simpático videogame. E o vídeo tem 8 horas. Sim, OITO HORAS.

Fonte: Vintage Is The New Old.
Continue lendo Que tal um muito de música de PC-Engine?

PicoFox, para o Pico-8.

Você já ouviu falar do Pico-8? Eu também não, aí fui pesquisar, e achei algumas coisas interessantes… O PICO-8 é um videogame virtual. Sim, ele não existe fisicamente, só na Internet. Joseph “Zep” White o criou para estabelecer limites para os atuais desenvolvedores de jogos. Dizem que com crise se cresce. Bem, com restrições, a criatividade floresce. Todos nós que jogamos desde antes dessa geração leite com pera e creme de cacau com avelã resolveu nascer, sabemos que essa é uma afirmação válida.

Pois então, o PICO-8 é um desafio aos programadores atuais. Ele tem resolução máxima de 128 x 128 pixels, 4 canais de som, e limite de 32 Kb por “jogo”. Você pode programar ele em Lua e precisa pagar US$ 15 para poder programar para o PICO-8.

Interessante, não? Pois é, a última (ou penúltima) é que portaram o Star Fox (SNES) pro Pico-8, chamando-o de PicoFox.

Continue lendo PicoFox, para o Pico-8.

Museu do Videogame Itinerante, no Rio.

No último mês de janeiro, o Museu do Videogame Itinerante fez uma exposição no Shopping Nova América, aqui no Rio de Janeiro. E eu resolvi ir lá. pra ver o que tinha exposto. A exposição é muito completa, com muitos itens expostos. Quase tudo é videogame, com exceção de alguns valorosos representantes da retrocomputação, como esse Expert aí do lado (cujo cartucho da direita não funcionaria nem a tapa). Então, fui lá acompanhado da minha esposa e da minha câmera, e montei um álbum com 76 fotos (algumas panorâmicas, como não poderia deixar de ser), e… O link está aqui. Ou na 1a foto, se você preferir. No post que falamos dos eventos computacionais de 2017, foi colocado as datas onde o Museu estará, com esta exposição. Se puder, vá que vale a pena, mas se prepare porque enche muito.

Continue lendo Museu do Videogame Itinerante, no Rio.

Revista Pushstart, agora em meio físico.

capa_pushstartE a revista Pushstart, que apesar do nome, é uma revista portuguesa de retrogaming, comemorou o seu 5o ano dando a opção de formato impresso. E a primeira edição disponível em papel fala da maior criação de Jay Miner, o Commodore Amiga 500, além de Mega Drive, Sega Saturn, Playstation, Dreamcast e até arcade.

Aliás, a Pushstart é uma visita obrigatória para todos nós que amamos essas máquinas clássicas e jogamos nelas. Numa olhada rápida, encontrei artigos sobre jogos para ZX Spectrum, Commodore 64 e Atari ST, inclusive um port de Angry Birds pra o Sinclair colorido. A revista é bimestral e aceita encomendas a partir do formulário (que você pode acessar clicando aqui).

Intellivision III?

intelivision3

E o usuário BillBaloney976  fala em um post no fórum da Atariage:

“Meu pai tem vendido jogos por quase 40 anos, e me ofereceu uma brochura antiga que ele achou depois de revirar algumas coisas relacionadas ao seu trabalho”.

E ele acha fotos e informações do que seria a terceira geração do videogame mais bem sucedido da Mattel. Dá para ver que o joystick mudava para um com haste (ainda bem), teria a opção de acrescentar teclado (a cara do Mattel Aquarius), teclado musical (?!), entre outros itens.

O desenvolvimento do Super Mario 64

mario6400

O jogo Super Mario 64 para o console (óbvio) Nintendo (óbvio) 64 completou neste ano de 2016 ano suas vinte primaveras e como parte das comemorações o pessoal do site shmuplations desencavou duas entrevistas da época com a equipe de desenvolvimento daquele que foi o primeiro jogo verdadeiramente 3D produzido pela empresa — exatamente, Shigeru Miyamoto & cia!