Arquivo da tag: MS-DOS

Episódio 79 – Minicomputadores – Parte B

retrocomputaria_vitrine_570x190

Sobre o episódio

Um episódio em que subiremos um pouco, mas só um pouco, no tamanho dos computadores, já que falaremos de minicomputadores.

Nesta parte do episódio

Retomamos do Data General Eclipse para repassar minicomputadores notáveis de outros fabricantes – HP, IBM, Norsk Data, Tandem Computers, Texas Instruments… Contamos o fim da Era dos Minicomputadores e a situação deles hoje.

Terminamos falando do legado que os minicomputadores nos deixaram… que, sim, é MUITO maior do que parece à primeira vista: BASIC, arquitetura de microprocessadores, Unix, a interface de comandos do PDP no CP/M e MS-DOS, David Cutler e o Windows NT, os alumni de DEC e Data General, a ideia das soluções turn-key, jogos eletrônicos e até a supremacia do ASCII sobre o EBCDIC.

Ficha técnica:

  • Número do episódio: 79
  • Participantes: Ricardo, João, Cesar, Giovanni e Juan
  • Duração aproximada: 50 minutos
  • Músicas de fundo: Músicas de CD
  • Download em ZIP

URLs do podcast:

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

Sobre 640K

Ah, os 640K. Para o bem e (muito) mais para o mal, um limite com que todo usuário de PC pré-Windows 95 teve que aprender a conviver… e, se você fosse gamer em PC no final dos anos 80 e na primeira metade dos anos 90, aprender a conviver e a contornar.

Jimmy Maher conta um pouco da briga dos gamers com os 640K, claro que da maneira Jimmy Maher. Com uma citação essencial a Wing Commander e um longo último parágrafo pra dizer que Bill Gates não falou que 640K são suficiente.

Episódio 75 – O office antes do Office: Bancos de Dados – Parte A

retrocomputaria_vitrine_570x190

Sobre o episódio

Micros clássicos não são apenas jogos, mas também trabalho duro. Por isso fizemos a série O office antes do Office.

Para fechar nossa série, trataremos os bancos de dados, componentes essenciais de qualquer workflow corporativo.

Nesta parte do episódio

Começamos falando de moedores de carnes, quer dizer, de mainframes, para falar dos “pré-bancos de dados”. Depois falamos de COBOL, modelos navigacionais, árvores binárias, hierárquicas e finalmente dos relacionais.

Finalmente chegamos a épocas mais familiares e falamos da era do dBASE, das origens no IMSAI 8080 à dominação no mundo do CP/M (dBASE II) e no mundo do MS/PC-DOS (dBASE III) até o desastre dBASE IV e a venda da Ashton-Tate à Borland.

Também falamos de um legado do dBASE, o padrão xBase e, entre eles, o Clipper, velho conhecido de todo mundo que trabalhou com informatização de pequenas e médias empresas dos anos 80 e 90. Entramos na treta entre Ashton-Tate e Fox Software por causa do “padrão xBase”. E citamos Oracle Database porque né

Ficha técnica:

URLs do podcast:

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

Episódio 67 – Jogos Olímpicos – Parte B

retrocomputaria_vitrine_570x190

Sobre o episódio

De 4 em 4 anos acontecem os Jogos Olímpicos, e com a tocha sendo acesa perto do QG do Retrocomputaria, resolvemos fazer um podcast sobre o assunto, medalha de ouro em piadas sem graças e em micros clássicos.

Nesta parte do episódio

Saímos de Los Angeles 1984 para Seul 1988 e Barcelona 1992 e… bom, a participação olímpica do Retrocomputaria acaba por aqui, ainda passamos por Atlanta 1996 mas fora do ponto de corte.

Ficha técnica:

URLs do podcast:

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

Episódio 67 – Jogos Olímpicos – Parte A

retrocomputaria_vitrine_570x190

Sobre o episódio

De 4 em 4 anos acontecem os Jogos Olímpicos, e com a tocha sendo acesa perto do QG do Retrocomputaria, resolvemos fazer um podcast sobre o assunto, medalha de ouro em piadas sem graças e em micros clássicos.

Nesta parte do episódio

Depois de uma discussão sobre o surgimento da maratona, vamos à Fan Fest no Atari 2600 e passamos por Moscou 1980 e Los Angeles 1984 (e o joystick não sobreviveu ao Decathlon, apesar de todos os truques dos participantes)

Ficha técnica:

URLs do podcast:

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

MS-DOS 5.0 com DPMI? Sim, MS-DOS 5.0 com DPMI!

(Bom, talvez você não lembre que DPMI significa DOS Protected Mode Interface, e permitia aos programas DOS rodarem em modo protegido dos 286+; a Wikipedia anglófona explica mais).

Neozeed comprou um PC-9821 e, enquanto o computador não chegava, resolveu testar uns negocinhos aqui e ali; pegou umas imagens de disco do MS-DOS 5.00A para PC98 e… bom, o MS-DOS 5.00A para PC98 tem um extensor DPMI que, com alguns ajustes aqui e ali, permite ao MS-DOS oferecer os mesmos serviços DPMI do Windows 3.0.

MSDOS-5.00A-DPMI

Repórter Retro Nº 013

O Seu Repórter Retro

Bem-vindos a mais uma edição do Repórter Retro.

Ficha técnica:

  • Número do episódio: 13
  • Participantes: Ricardo, João, Cesar, Giovanni e Juan
  • Duração aproximada: 97 minutos
  • Músicas de fundo: Músicas sortidas
  • Download em ZIP

URLs do podcast:

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

O Ataque dos Clones – Parte 3

Clones

(Este artigo é uma tradução do original de Jimmy Maher, no blog The Digital Antiquarian.)

⇐ Parte 2

Por outro lado, o Compaq Portable, lançado no início de 1983, também foi bem-sucedido por ser um produto de qualidade excelente e — não obstante as opiniões de J. Flannigan — inovador. Ao lançar um portátil antes da própria IBM, a Compaq provou que clones não precisavam ser cópias desprovidas de originalidade e com apenas um preço menor a título de diferença. Lembrando que “portátil”, em 1983, não significava o mesmo que significa hoje. O Portable era maior e mais pesado (12,5 kg) do que a maioria das máquinas desktop de hoje em dia. Era carregado como uma mala de viagem, não deslizado suavemente para dentro do bolso ou da mochila. Ele nem sequer tinha bateria, ou seja, o profissional em viagem podia exercer sua computação “portátil” apenas no quarto do hotel. Ainda assim, era um projeto extremamente inteligente dadas as limitações técnicas da época: por exemplo, ele podia ser conectado a um monitor maior e com gráficos coloridos em vez do pequeno monitor mono embutido de 9 polegadas — um primeiro passo para as docking stations de hoje em dia.

Por uma feliz coincidência, tudo isto acontecia enquanto algumas trapalhadas de fabricação, junto com a demanda inesperadamente alta pelo recém-lançado IBM PC/XT, tornou os micros da IBM difíceis de conseguir em algumas regiões. Isso fez o Portable decolar como um foguete. Foram vendidas aproximadamente 53.000 unidades no primeiro ano, gerando uma receita de 111 milhões de dólares; um recorde entre start-ups de tecnologia. A IBM, vendo-se na estranha posição de ter que correr atrás, lançou seu próprio portátil no ano seguinte, com menos capacidades mas — e isto foi realmente inacreditável — mais barato que o Compaq Portable.

Ao forçar a toda-poderosa IBM a competir em preço, a Compaq aparentemente virou o mundo de cabeça para baixo. O Portable PC da IBM foi um fracasso comercial, e consequentemente o primeiro sinal de que a IBM começava a perder o controle sobre o monstro que criou. Enquanto isso, a Compaq respondia lançando, no mesmo ano e com grande sucesso, sua própria linha de desktops: os DeskPro.

A Apple atacava a IBM em comerciais melodramáticos e se declarando em batalha do Bem contra o Mal representado pela IBM. Mas a IBM parecia nem notar os “combatentes da liberdade” da Apple. O único concorrente que realmente importava, a única empresa que legitimamente metia-lhes medo, não era a estilosa Apple, mas a quadrada e careta Compaq.

Mas a Compaq estava longe de ser o único problema da IBM. O processo de clonagem só fazia ficar mais e mais fácil, para qualquer um. No primeiro semestre de 1984, duas pequenas empresas chamadas Award Software and Phoenix Technologies anunciaram produtos idênticos quase ao mesmo tempo: BIOS IBM-compatíveis, legalmente produzidos por engenharia reversa, disponíveis para serem licenciados por qualquer um disposto a usá-los para fazer um clone. E muitas empresas fizeram exatamente isso, arremessando a Phoenix e a Award ao topo do que logo se tornou um próspero nicho de mercado (a rivalidade entre as duas logo seria resolvida como empresas civilizadas o fazem: com uma fusão). Com o fim da última dificuldade significativa para fazer um clone, o processo se tornou uma trivialidade, mera questão de juntar um punhado de componentes, o MS-DOS e um BIOS, montar e jogar porta afora; um hobista ambicioso poderia fazer tudo isso em casa, se lhe desse na veneta. Em 1986, clones foram vendidos em quantidade consideravelmente maior que micros da IBM, cujas vendas patinavam.

Nesse mesmo ano, a Intel começou a produzir o microprocessador 80386, a terceira geração das CPUs que moviam os IBM PCs e seus clones. A IBM decidiu esperar antes de fazer uso do novo chip, considerando que o de segunda geração (80286), em uso no bem-sucedido PC/AT de 1984, era poderoso o suficiente para o momento atual. Foi uma péssima decisão, baseada num grau de dominação que a IBM já não possuía. A Compaq sentiu cheiro de oportunidade e fez seu próprio micro baseado no 80386, o DeskPro 386 — o primeiro a usar o novo chip. Até este momento, os clonadores sempre se satisfizeram em deixar a IBM desbravar o caminho em avanços fundamentais como esse. O DeskPro 386 marca a chegada da Compaq, e da indústria de clones em geral, à idade adulta. Não mais ao sabor das ondas deixadas pela IBM, limitando-se a ajustar formatos, preços e capacidades, agora eles estavam determinando os eventos. Já em novembro de 1985, Bill Machrone (colunista da PC Magazine) vislumbrava aonde tudo isso ia levar: “Agora que ela [a IBM] criou o mercado, o mercado não precisa mais da IBM para obter as máquinas.” Vemos aqui a computação corporativa sofrendo sua segunda grande transformação (a primeira foi a transição do CP/M para o MS-DOS). O que antes era um ecossistema da IBM e de seus clones, tornou-se um conjunto de padrões; às vezes menos do que ideais, às vezes acidentais, mas ainda assim um foco de consenso maior do que a IBM ou do que qualquer um. A IBM, segundo Machrone, deveria passar a se ajustar aos padrões ou sofrer as consequências, como todo mundo. Sintomaticamente, é por esta época que a expressão “clone de IBM” começa a desaparecer, dando lugar a “máquina MS-DOS” ou “máquina Intel”.

O rolo compressor Microsoft/Intel (note-se a ausência de “IBM” na designação) acabaria conquistando também os lares. Pelo meio dos anos 80, algumas variedades da espécie já começavam a manifestar características que poderiam atrair o usuário doméstico. Vamos voltar um pouco no tempo e dar uma olhada no mais importante destes, que mencionei em alguns artigos anteriores mas nunca dei-lhe o crédito devido.

Quando o pessoal da Radio Shack, sem ideias sobre o que fazer com a já envelhecida linha TRS-80, olhou para o fracassado IBM PCjr, viu coisas dignas de serem salvas: o chip gráfico de 16 cores e o sintetizador de som de três vozes, ambos muito superiores ao que podia ser encontrado nos irmãos maiores. Por que não clonar esses componentes, colocá-los dentro de um clone de PC razoavelmente convencional, e vender o resultado como o PC perfeito, no qual poderiam ser rodados aplicativos críticos de negócios mas também jogos com a qualidade daqueles do Commodore 64 com os quais as crianças estavam acostumadas? Graças ao bombardeio de mídia que acompanhou o lançamento do PCjr, havia várias editoras de software com estoques imensos de títulos que davam suporte ao audiovisual do PCjr, e muito dispostas a livrar-se deles bem barato. Com esses títulos para dar força, quem sabe aonde as coisas poderiam chegar?

Lançado no final de 1984, o Tandy 1000 foi o primeiro clone de IBM a ter como público-alvo não tanto o escritório, e sim o consumidor. Além das melhorias audiovisuais e preços agressivos, incluía o DeskMate, uma interface de usuário mais ou menos pré-GUI projetada para isolar o usuário das complicações do prompt do MS-DOS e dar acesso rápido a seis aplicações embutidas. Uma ideia brilhante em todos os aspectos, o Tandy 1000 salvou a Radio Shack da irrelevância computacional. Foi também a tábua de salvação de várias editoras que tinham apostado alto no PCjr; John Williams afirma que o Tandy 1000 literalmente salvou a Sierra ao criar um mercado para o King’s Quest, um jogo desenvolvido para o PCjr a um custo astronômico e que vinha tendo vendas ínfimas, dado o fracasso comercial da plataforma. O Tandy 1000 revelou-se tão popular que levou vários fabricantes de jogos a olhar com mais carinho para o mundo bege e chato dos clones. À medida que pegavam o bonde do MS-DOS, muitos tomaram o cuidado de aproveitar as melhorias audiovisuais do Tandy 1000. Milhares de títulos passaram a ter um balão com os dizeres “Tandy graphics support” nas caixas e na propaganda. Tendo garantido o mercado corporativo, o caminho da arquitetura Intel/Microsoft rumo à hegemonia na computação doméstica, mais longo e difícil, começou para valer com o Tandy 1000. Enquanto isso, a pobre IBM sequer tinha o crédito sobre o padrão gráfico que eles mesmos criaram. Derrota total.

Outro sinal do crescimento inexorável do binômio Intel/Microsoft na computação doméstica veio logo depois do Tandy 1000, com a chegada do primeiro jogo a fazer donos de Apples, Atari e Commodores desejarem ter um Tandy 1000, ou até mesmo algum dos seus parentes menos coloridos. Chegaremos lá — juro! — mas antes há outro desvio a fazer.

(Desta vez há um excesso de abundância de fontes. Lista rápida de periódicos: Creative Computing, Janeiro de 1983; Byte, Janeiro de 1983, Novembro de 1984 e Agosto de 1985; PC Magazine, Janeiro de 1987; New York Times, 5 de Novembro de 1982, 26 de Outubro de 1983, 5 de Janeiro de 1984, 1º de Fevereiro de 1984 e 22 de Fevereiro de 1984; Fortune, 18 de Fevereiro de 1985. O livro Computer Wars, de Charles H. Ferguson e Charles R. Morris, é um ótimo estudo a respeito das tribulações da IBM no período. Mais informações sobre os clones fabricados pela EACA podem ser encontradas no site de Terry Stewart. Material sobre as raízes da Compaq em Houston podem ser encontradas na Texas Historical Association. Outros links imprescindíveis estão espalhados ao longo deste artigo.)