Arquivo da tag: MS-DOS

Neuromancer, para Commodore 64.

Se você tem interesse em ficção científica, mais especificamente no subgênero cyberpunk, é certo que você ouviu falar de William Gibson e sua seminal obra Neuromancer. Inclusive, a Editora Aleph lançou uma edição especial, comemorando 30 anos do livro que influenciou das irmãs Wachowski (Matrix) a Masamune Shirow (Ghost in the Shell)

Continue lendo Neuromancer, para Commodore 64.

Aventuras e desventuras de neozeed com Citrix Multiuser

Para os interessados na história da entrada dos sistemas multiusuários no mundo dos PCs, e na história do OS/2, o Fun with Virtualization está com uma série de posts explorando as versões 1.0 e 2.0 do Citrix Multiuser, não apenas o primeiro produto da Citrix Systems mas também uma das primeiras tentativas de disputar com os Unix o mercado dos servidores de terminais com Intel 386 e 486.

Instalando e usando o Citrix Multiuser 1.0 no Bochs: uma versão customizada do Microsoft OS/2 1.21, rodando aplicações OS/2 1.x e MS-DOS… que chegou ao mercado logo depois da Microsoft anunciar que trocaria o OS/2 pelo Windows.

Unboxing e exploração do Citrix Multiuser 2.0: a versão 2.0 é baseada em alguma versão do IBM OS/2 2.0 e pode rodar aplicações OS/2, MS-DOS e Windows 3.00.

Episódio 81 – Jogos de Corrida – Parte B

retrocomputaria_vitrine_570x190

Sobre o episódio

Adrenalina! Cheiro de gasolina! Sexta marcha! 300Km/h! Jogos retro de corrida!

Nesta parte do episódio

Muita velocidade nos anos 80 e 90 em arcades, videogames e computadores.

Ficha técnica:

  • Número do episódio: 81
  • Participantes: Ricardo, João, Cesar, Giovanni e Juan
  • Duração aproximada: 64 minutos
  • Músicas de fundo: Outrun
  • Download em ZIP

URLs do podcast:

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

Episódio 79 – Minicomputadores – Parte B

retrocomputaria_vitrine_570x190

Sobre o episódio

Um episódio em que subiremos um pouco, mas só um pouco, no tamanho dos computadores, já que falaremos de minicomputadores.

Nesta parte do episódio

Retomamos do Data General Eclipse para repassar minicomputadores notáveis de outros fabricantes – HP, IBM, Norsk Data, Tandem Computers, Texas Instruments… Contamos o fim da Era dos Minicomputadores e a situação deles hoje.

Terminamos falando do legado que os minicomputadores nos deixaram… que, sim, é MUITO maior do que parece à primeira vista: BASIC, arquitetura de microprocessadores, Unix, a interface de comandos do PDP no CP/M e MS-DOS, David Cutler e o Windows NT, os alumni de DEC e Data General, a ideia das soluções turn-key, jogos eletrônicos e até a supremacia do ASCII sobre o EBCDIC.

Ficha técnica:

  • Número do episódio: 79
  • Participantes: Ricardo, João, Cesar, Giovanni e Juan
  • Duração aproximada: 50 minutos
  • Músicas de fundo: Músicas de CD
  • Download em ZIP

URLs do podcast:

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

Sobre 640K

Ah, os 640K. Para o bem e (muito) mais para o mal, um limite com que todo usuário de PC pré-Windows 95 teve que aprender a conviver… e, se você fosse gamer em PC no final dos anos 80 e na primeira metade dos anos 90, aprender a conviver e a contornar.

Jimmy Maher conta um pouco da briga dos gamers com os 640K, claro que da maneira Jimmy Maher. Com uma citação essencial a Wing Commander e um longo último parágrafo pra dizer que Bill Gates não falou que 640K são suficiente.

Episódio 75 – O office antes do Office: Bancos de Dados – Parte A

retrocomputaria_vitrine_570x190

Sobre o episódio

Micros clássicos não são apenas jogos, mas também trabalho duro. Por isso fizemos a série O office antes do Office.

Para fechar nossa série, trataremos os bancos de dados, componentes essenciais de qualquer workflow corporativo.

Nesta parte do episódio

Começamos falando de moedores de carnes, quer dizer, de mainframes, para falar dos “pré-bancos de dados”. Depois falamos de COBOL, modelos navigacionais, árvores binárias, hierárquicas e finalmente dos relacionais.

Finalmente chegamos a épocas mais familiares e falamos da era do dBASE, das origens no IMSAI 8080 à dominação no mundo do CP/M (dBASE II) e no mundo do MS/PC-DOS (dBASE III) até o desastre dBASE IV e a venda da Ashton-Tate à Borland.

Também falamos de um legado do dBASE, o padrão xBase e, entre eles, o Clipper, velho conhecido de todo mundo que trabalhou com informatização de pequenas e médias empresas dos anos 80 e 90. Entramos na treta entre Ashton-Tate e Fox Software por causa do “padrão xBase”. E citamos Oracle Database porque né

Ficha técnica:

URLs do podcast:

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.