Arquivo da tag: Ken Shirriff

[UPDATE] Ken Shirriff e a restauração de um Xerox Alto

Alan Kay emprestou seu Xerox Alto para a Y Combinator.

A incubadora de startups montou um time para restaurar o Alto.

E Ken Shirriff está no meio, ajudando a preservar e documentando o trabalho.

Atualização: O Sergio “Vladivostok” nos mandou os links para os outros 2 vídeos, com a continuidade do processo. Ainda não deu boot, mas eles vão chegar lá. Obrigado!

Repórter Retro Nº 011

O Seu Repórter Retro

Bem-vindos a mais uma edição do Repórter Retro — encerrando a temporada 2015 do Retrocomputaria. Feliz Ano Novo a tod@s @s noss@s ouvintes e leintes! 😀

Ficha técnica:

URLs do podcast:

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

No qual Ken Shirriff lembra ao mundo do TMX1795

“Bom, faz tempo que vocês não falam de Ken Shirriff”, pergunta-se o leitor, “O que ele está fazendo?”

Simples: escrevendo sobre o TMX 1795 da Texas Instruments, um esquecido pedaço da história dos microprocessadores.

TMX 1795, em uma foto do Computer History Museum
TMX 1795, em uma foto do Computer History Museum

O TMX 1795 foi o primeiro microprocessador como nós conhecemos, lançado alguns meses antes do Intel 8008. Ambos disputaram o projeto do famoso Datapoint 2200, e ambos perderam a corrida para chips feitos de TTL; a Intel resolveu vender o 8008, enquanto a TI simplesmente abandonou o seu chip.

Não satisfeito, Ken entra em questões legais (sim, a TI patenteou o TMX 1795 e começou a achar uma excelente ideia fazer um tanto de patent trolling) e quase filosóficas sobre a definição de “primeiro” e de “microprocessador”.

Fractal para quem precisa de fractal

À guisa de (falei bonito agora, hein?) continuação do post sobre cartões SMS em mainframes, Ken Shirriff ficou sabendo que havia um IBM 1401 funcional no Computer History Museum e lá foi-se ele pra brincar com a criança. Brincar do que? Ora, de fazer um programa para imprimir o Conjunto de Mandelbrot. Em que linguagem? Assembler em cartões perfurados, claro, porque linguagem de alto nível, monitor e teclado são para os fracos.

mandelbrot-1401-and-printerMas calma que a história não acaba por aí…
Continue lendo Fractal para quem precisa de fractal

SMS nos anos 60

Não, não tem nada a ver com enviar mensagens de texto. Ken Shirriff, o Sherlock Holmes do silício, agora resolveu explorar mainframes IBM de mil novecentos e vovô garoto. E neste post no blog dele, explica que SMS quer dizer Standard Module System. São os componentes básicos dos computadores da Big Blue, e consistem em placas de circuito impresso do tamanho de cartas de baralho, cada uma responsável por uma função (portas lógicas, reguladores de tensão, memórias, controle de periféricos etc etc etc), inseridas num barramento comum.
Continue lendo SMS nos anos 60

Por dentro do 1405 da Intel

Intel 1405 shift registers provide memory storage for a Datapoint 2200 display.

Lá por volta de1970 as memórias MOS começavam a ficar populares, mas ainda eram bastante caras. Por exemplo, a 3101 da INTEL custava USD$99,50 e te “proporcionava” 64 bits de armazenamento (sim, exatamente 8 letras!). Uma alternativa aos projetistas era usar um shift register, não era bem memória mas ao menos você garantia uns 512 bits (8 vezes mais!) e por um preço mais razoável.

Um deles é o 1405 da Intel, a nova vítima do incansável Ken Shirrif!

( OSNews )