Arquivo da tag: colecovision

Episódio 81 – Jogos de Corrida – Parte A

retrocomputaria_vitrine_570x190

Sobre o episódio

Adrenalina! Cheiro de gasolina! Sexta marcha! 300Km/h! Jogos retro de corrida!

Nesta parte do episódio

Muita velocidade nos anos 70 e 80 em arcades, videogames e computadores.

Ficha técnica:

  • Número do episódio: 81
  • Participantes: Ricardo, João, Cesar, Giovanni e Juan
  • Duração aproximada: 66 minutos
  • Músicas de fundo: Rally-X
  • Download em ZIP

URLs do podcast:

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

A evolução do TMS9918

O TMS9918A e seus variantes (9928/9938/sem “A”) é um chip gráfico bem popular; está no MSX1, no Colecovision, no TI-99/4A, no Sega SC-3000/SG-1000 e, com variações, no Master System e no Game Gear – sem contar as evoluções da Yamaha (V9938/58).

No Z80ST-Blog, uma excelente comparação entre os “membros da família”, focado em MSX e videogames da Sega.

Repórter Retro Nº 027

O Seu Repórter Retro

Bem-vindos a mais uma edição do Repórter Retro.

Porque velho é o seu Sebastian Vettel.

Ficha técnica:

URLs do podcast:

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

Micros clássicos no decatlo

A cerimônia de abertura das Olimpíadas é daqui a algumas horas, e até lá vamos nos distrair com Activion Decathlon. É, Decathlon.

Começando, claro, com o Atari 2600:

E os Atari de 8 bits estão aqui, ó:

Aqui, um Atari 800XL, um projetor e um tapete de dança:

Tem Colecovision? Tem sim!

Se não tivesse para C64 a fúria de Jack Tramiel cairia sobre os jogos:

E tem o MSX chegando na disputa:

Nenhum joystick de micro clássico foi destruído na confecção deste post. Pelo menos os nossos.

Episódio 67 – Jogos Olímpicos – Parte A

retrocomputaria_vitrine_570x190

Sobre o episódio

De 4 em 4 anos acontecem os Jogos Olímpicos, e com a tocha sendo acesa perto do QG do Retrocomputaria, resolvemos fazer um podcast sobre o assunto, medalha de ouro em piadas sem graças e em micros clássicos.

Nesta parte do episódio

Depois de uma discussão sobre o surgimento da maratona, vamos à Fan Fest no Atari 2600 e passamos por Moscou 1980 e Los Angeles 1984 (e o joystick não sobreviveu ao Decathlon, apesar de todos os truques dos participantes)

Ficha técnica:

URLs do podcast:

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

O perigo que ronda seu monitor (se você é dos que fuçam)

Alexandre “Tabajara” Souza, enquanto consertava um console de videogame (um ColecoVision), resolveu testar pontos do circuito com a entrada de vídeo do seu precioso M1721a, pra ver se algo aparecia na tela… péssima idéia! O resultado foi esse abaixo. Clique na foto para ler a história completa (e calma, ela tem final feliz).

Continue lendo O perigo que ronda seu monitor (se você é dos que fuçam)

Outra opinião: O Golpe do Micro Doméstico

Este artigo é uma tradução de The 8-bit Home Computer Bait and Switch, publicado no blog Nerdly Pleasures e postado aqui com permissão do autor.

No início dos anos 80, consoles de videogame e micros domésticos competiam entre si pelo bolso do consumidor. Os micros, particularmente os da Commodore, eram propagandeados como algo que serve para muito mais do que jogos (coisa que eles também faziam direitinho). O papai poderia gerenciar as finanças domésticas, a mamãe poderia ter um banco de receitas, e as crianças poderiam aprender com programas educacionais e digitar os trabalhos do colégio em um processador de texto. Assim os computadores domésticos eram apresentados ao consumidor nas prateleiras das lojas. A princípio, os mais amigáveis em termos de preço e capacidades eram o Atari 400 e (com alguma boa vontade) o 800, os Commodores VIC-20 e 64, o TI-99/4A e o TRS-80 Color Computer. Os da Apple, muito caros, eram populares entre hobistas, educadores e pequenos empresários. Os da IBM (ainda mais caros) eram comprados quase que exclusivamente por usuários corporativos e empresas de desenvolvimento de software.

Continue lendo Outra opinião: O Golpe do Micro Doméstico