Arquivo da tag: Al-Alamiah

Episódio 72 – Ásia – Parte B

retrocomputaria_vitrine_570x190

Sobre o episódio

Já falamos do Japão, mas também houve muita retrocomputação no Extremo Oriente, no subcontinente indiano e no Oriente Médio. Este episódio dá uma volta pela Rota da Seda retrocomputacional.

Nesta parte do episódio

Continuamos na Coreia do Sul, damos uma longa caminhada até a Índia e terminamos no Oriente Médio.

Ficha técnica:

  • Número do episódio: 72
  • Participantes: Ricardo, João, Cesar, Giovanni e Juan
  • Duração aproximada: 65 minutos
  • Músicas de fundo: Músicas que nos remetem a artes marciais
  • Download em ZIP

URLs do podcast:

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

Foto inteligível do dia: Al-Alamiah AX990.

ax990

Um dia desses iremos fazer um episódio falando da cena retrocomputacional no Oriente Médio… Mas não, não será agora (por enquanto, somente a terra dos cangurus). Mas é sabido por vários que a Al-Alamiah “””””produziu “”””” micros baseados no MSX para vender na parte do planeta onde se fala e escreve em árabe, ou seja: Arábia Saudita, Kuwait, Jordânia e outros países daquela região.

Continue lendo Foto inteligível do dia: Al-Alamiah AX990.

Iniciando a Semana MSX no R+

Em homenagem aos 30 anos do lançamento da plataforma MSX, todos os posts desta semana serão sobre esta tão querida e prolífica família de microcomputadores. Começamos com um compacto com os melhores momentos da MSXRio que ocorreu em 31 de maio e 1º de junho passado. Destaque para o notório unboxing do Sharp MZ-700 por um ângulo alternativo, Giovanni Nunes fazendo programação islâmica num micro idem, e os demos da V9990 PowerGraph. E outras cositas más.

[UPDATE] Virou um caminhão de esfihas!

Esfihas!

Normalmente não falamos de leilões aqui, tirando a nossa série com dicas de leilões online (que volta em breve), mas não é porque não gostamos. Na verdade é por 3 motivos:

  1. Não temos tempo para ficar investigando todos os leilões do jeito que gostaríamos;
  2. Cada um tem gostos específicos em termos de máquinas;
  3. Se a gente contar todos os itens interessantes aqui, a gente não compra nada, vocês chegam na nossa frente! 😀

Mas essa aqui não deu para deixar de falar. Quer continuar a ler? Clica aí embaixo…

Continue lendo [UPDATE] Virou um caminhão de esfihas!

… E tirei a Sherazade da caixa!

Como cristão protestante que sou, sempre acreditei que, apesar de serem de religiões distintas, os homens podem conviver em paz se mantiverem o respeito mútuo. E, como matemático que sou, tenho muito respeito pelo trabalho de grandes matemáticos árabes, entre eles Ibn Musa al-Khowarizmi (daonde vem o nome algoritmo), Said Al-Andalusi (historiador, governante e matemático), entre outros, que nos deram o sistema numérico, os algarismos indo-arábicos… E por aí vai. (*)

Essa introdução foi só para dizer a vocês que chegou um novo morador lá em casa. Quem diria, um árabe morando na casa de um cristão… E se dando muito bem! Sim, chegou o meu MSX 1 da Yamaha, um Al-Alamiah AX200.

Ficou curioso? Então continua lendo aí embaixo…

Continue lendo … E tirei a Sherazade da caixa!

MSX no Kuwait… Agora sabemos!

Sempre soubemos que fabricantes como Yamaha e Sanyo venderam micros padrão MSX para a antiga União Soviética e para o Oriente Médio. A Al-Alamiah, empresa de TI sediada no Kuwait (e que existe até hoje, vejam só!) adquiriu esses micros e os vendeu por todo o Oriente Médio. Já falamos dos MSXs no Iraque, mas não tínhamos um relato mais caprichado de como foi a cena MSXzeira nos países muçulmanos da Janela 10-40… Até agora.

A convite do pessoal do MSX.org, uma engenheira de computação kuwaitiana, conhecida como Danderma, escreveu um artigo sobre como era ser MSXzeira nos anos 1980. O artigo, intitulado MSX in Kuwait – a personal history by Danderma, conta por exemplo, que King’s Valley e The Castle eram dois dos jogos mais populares de todo o Kuwait: O pai dela era viciado no joguinho da ASCII! Simplesmente imperdível.

Se você tiver curiosidade em conhecer o blog dela, onde ela também fala de MSX (e um bocado!), clique aqui.

E sim, vamos fazer no futuro um episódio sobre o Oriente Médio. Mas os micros da Cortina de Ferro vem primeiro. E se tudo correr bem… Esse ano!

PS: Eu já comecei a me preparar para esse episódio, do Oriente Médio… Olhem aqui a última aquisição.

TOSEC-MSX – em processo…

Vocês já ouviram falar do projeto TOSEC (The Old School Emulation Center), cujo objetivo é… Ah, leia o que postamos antes, fica mais fácil:

E o processo continua. O pessoal da equipe do MSXCassetes (em espanhol) encontraram recentemente vários softwares árabes para MSX produzido por uma empresa chamada Ibn Sina (nome dado em homenagem ao médico e filósofo árabe de mesmo nome, e que está aí do lado). Há muito software educacional, além de itens criados pela empresa Barq.

Curioso para ver? Clique aqui.

No futuro pretendemos falar de micros produzidos e usados nos países árabes, mas antes temos a promessa a ser cumprida, que é falar dos micros da Cortina de Ferro. Aguardem.