Portáteis retro… Em japonês.

Japoneses não se interessam apenas pelas máquinas produzidas no seu país. Existem sites falando sobre micros não-japoneses por lá, como esse aqui, que fala de portáteis. Logo, temos Amstrad NC-100 (como o que está dentro da capa aí acima), o VTech Laser 50, o Z88 (que um certo fudeba dessa equipe tem), o Quickpad Pro… E os portáteis japoneses, como os Canon X-07, F-803P, NEC PC-2201, PC-8201… E ainda aquele relógio, o Seiko UC-2000. E ainda tem outros. Vale a olhada.

Mais um projeto de Commodore 64 em FPGA a caminho.

Esse é para você que ainda não chegou na RetroRio (afinal, o encontro é hoje e amanhã!), ou você que não poderá vir (boo). O Paul Gardner-Stephen tem mantido um blog descrevendo como está sendo o projeto encabeçado por ele sobre a confecção de um computador compatível com o C64/C65 em FPGA. Não por acaso esse é o nome do blog, e é interessante para todos os sonhadores que acham que “é fácil fazer” algo do tipo, “basta ter vontade”. Não, não é fácil, o buraco é mais embaixo (como diz meu pai).

O nome da máquina? Era C65gs. Agora é MEGA65. Parece que “C65” evoca o mesmo fetiche entre os fãs do Commodore 64 do que o termo “MSX 3” faz com os MSXzeiros… Mas o projeto parece bem interessante. Quanto ao currículo do autor, ele participou entre outras coisas, do projeto do LUnix, um sistema semelhante ao UNIX para Commodore 64. Que tal?

Fonte: Vintage Is The New Old.

Hardware locks para ZX-Spectrum!

Lembro de uma série de artigos do Pierre Lavelle (citado no episódio desse mês) na MicroSistemas falando sobre esquemas de proteção contra cópia e como eram burlados. Acho que os hardlocks não eram conhecidos na época, mas vale aqui essas fotos, para satisfazer a curiosidade.

Essa veio do Twitter do Retronymus, mostrando o sistema SD1, usado nos ZX-Spectrum, para (tentar) coibir a pirataria. E vocês achando que só brasileiro pirateava, né?

Continue lendo Hardware locks para ZX-Spectrum!

Retrohitz #154 – Zuntata Live 97

http://www.retrocomputaria.com.br/wp-content/uploads/2013/02/retrohitz_vitrine_570x190.png

Este é o episódio 154 do Retrohitz.

Neste episódio, o show do Zuntata, a banda da Taito, no Shibuya On Air East, em 1997.

Duração: 105 minutos

Lista de músicas:

  1. Heartland ~Intolerance~ (do jogo Raystorm)
  2. Geometric City (do jogo Raystorm)
  3. Aquarium (do jogo Raystorm)
  4. Kimera II (do jogo G-Darius)
  5. G Zero (do jogo G Darius)
  6. The End of 1996 H.K. (do jogo Gamera 2000)
  7. OGR conversa com o público
  8. Born to be Free (do jogo Metal Black)
  9. Quartz, Story Part II (do jogo Rayforce)
  10. Mobius (do jogo Rayforce)
  11. G (do jogo Rayforce)
  12. S.L.M.J. (do jogo Landing Gear)
  13. Street Road (do jogo Fighter’s Impact)
  14. Burning Road (do jogo Night Striker)
  15. OGR conversa novamente, e apresenta os membros
  16. FAKE (do jogo Darius Gaiden)
  17. Projection, Story Part III
  18. Visionnerz (do jogo Darius Gaiden)
  19. Electric Brain Emperor (Galactic Storm)
  20. Ceramic Heart (Vocal Encore – Raystorm)
  21. Cosmic Air Way (Encore do jogo Darius)
  22. Urban Trail ’97 (Encore – Night Striker)
  23. Penetration (Encore do jogo Rayforce)
  24. Daddy Mulk Piano Solo (Ending Staff Roll)

Download em ZIP

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

Agora nós também temos Instagram!

Agora também temos um perfil no Instagram, povo. Para acessá-lo, basta clicar na imagem aí do lado, e você o acessará. A ideia é que esse perfil seja mais usado nos encontros em que vamos, para que vocês possam ver o que de interessante vimos e gostamos de compartilhar. É bem possível que tenhamos mais material, afinal, vai que a gente gosta desse negócio?

Nossa prova de fogo será agora, durante a RetroRio. Acompanhem-nos!

RetroRio 2017: Está chegando!

O nosso banner já está lá na porta do Centro de Artes Calouste Gulbenkian!

Gente, a RetroRio 2017 ocorrerá daqui a dois dias, em 16 e 17 de junho de 2017, no Centro Municipal de Artes Calouste Gulbenkian, na rua Benedito Hipólito, 125 – Praça Onze – Rio de Janeiro. O horário é entre 10 e 18 horas, e contamos com a presença de todos vocês.

Todos aqueles que cometem o Retrocomputaria estarão presentes (*), e para você que ainda não sabe detalhes, tudo está na nossa página especial, clicando aqui. Ajudem-nos divulgando o evento. Como já dissemos, queremos fazer da RetroRio o maior e melhor encontro retrocomputacional que já houve nessa Cidade Maravilhosa.E agradecemos o apoio dos amigos da Tecnobytes para a realização dessa RetroRio.

Se você vai, alguns detalhes que são importantes:

Continue lendo RetroRio 2017: Está chegando!

Clone do Doom para Amiga tem o código-fonte liberado.

A empresa Black Magic, em 1995, produziu um clone daquele FPS que dispensa apresentações, Doom. O jogo se chamava Gloom. E segundo o pessoal do Vintage Is The New Old, a Amiga Power colocou-o entre os Top 20 jogos de Amiga de todos os tempos (na posição 18). Ou seja, o jogo é bom.

Pois é, passados 20 anos, o código-fonte foi posto no Github, e você verá que foi quase todo escrito em Assembler, com umas pitadas de Blitz Basic 2. O código está disponível do jeito que está, pode ser que não esteja completo, mas será que tem alguém bravo o bastante para montar?

Fonte: Amiga News.

O Ars Technica resenha o AmigaOne X5000

Não satisfeito em fazer a sua monumental história do Amiga, Jeremy Reiner comprou um A-EON AmigaOne X5000, o computador mais poderoso a rodar AmigaOS nativamente já feito.

E, é óbvio, em se tratando de Jeremy Reiner e Ars Technica, ganhamos uma resenha longa e razoavelmente detalhada do AmigaOne X5000. Só não explica como convencer seu(sua) cônjuge que não há problema em gastar quase 2000 dólares no X5000; esta parte fica com o leitor.