Todos os posts de Giovanni Nunes

Aventuras em Atari BASIC

Mikey Walters, da revista digital We Are the Mutants, produziu uma série de artigos em  oito partes — a lista é decrescente, o primeiro está no final — onde pegou o jogo SPACE ASSAULT, escrito por ele em Atari BASIC e publicado na edição de setembro de 1983 da revista Analog Computing, onde não só dissecou seu funcionamento como também aproveitou para explicar detalhes sobre as técnicas utilizadas, recursos do interpretador BASIC e do hardware do computador de 8-bit fabricado pela Atari.

Pegasus Family Game…

…ou, em um título mais comprido “como as crianças da Polônia descobriram o videogame em 1990” é um artigo bem interessante da revista digital polonesa Culture.pl sobre como o NES chegou acidentalmente à Polônia no começo da década de 1990; Claro, que não pelas mãos da japonesa Nintendo mas através de clone trazido diretamente Taiwan por um vendedor de jeans e batizado de Pegasus Family System.

Em tempo, uma história parecida mas que aconteceu na Nova Zelândia Rússia!

Livro sobre programação de jogos

Dois livros bem interessantes de autoria da 8bit WorkshopSteven Hugg — que estão a venda. No primeiro, Making Games For The Atari 2600, você aprende sobre programação de jogos em assembly para icônico console da Atari. No outro, Making 8-Bit Arcade Games in C, você aprende a programar utilizando a linguagem C em diversos modelos de máquinas de arcade clássicas baseadas no microprocessador Z80. Em ambos os livros você utilizará um ambiente de desenvolvimento que integra  editor, depurador e um emulador do hardware etc.

Cada livro custa US$12,00 e são vendidos através do Gumroad.

Macintosh clássico no navegador web

O emulador de computadores Macintosh baseados nos processadores da família  Motorola 680×0, o Basilisk II, foi portado por James Friend para rodar a partir de um navegador web. Na publicação original ele ainda comenta sobre os desafios da conversão do código, as técnicas utilizadas e algumas ideias para melhorar o código no futuro. Em tempo, no agora remoto ano de 2013, ele portou para navegadores o PCE — que emula tanto o Macintosh Plus  como o IBM PC.

( Call-A.P.P.L.E. )

Uma análise do AT&T PC 6300

Houve uma época em que os clones do PC da IBM ainda não eram assim “tão clones” com fabricantes experimentando soluções distintas para determinadas implementações. Este é o caso do AT&T PC6300 — uma versão OEM do M24 da italiana Olivetti — lançado no mercado estadunidense em 1984 e demonstrado por Jim Leonard.

Além do 8086@8MHz ele vinha com placa de vídeo compatível com o padrão CGA (capaz de resoluções de 640×400), interface de drive integrada na placa mãe, circuito de relógio, botão de RESET, leds no teclado para Caps Lock e Num Lock, mais slots de expansão (inclusive com uma versão de 16-bits) e outras coisas que se tornariam “padrão” no futuro.

Um jeito novo de programar em BASIC

Neste mês de dezembro acabei escrevendo uma ferramenta um tanto quanto interessante, ao qual chamei de Inliner e que permite escrever programas em BASIC de um “jeito bonito” a partir de qualquer editor de textos sem a preocupação com numeração de linhas e todo o resto pois ela cuidará disto para você.

Continue lendo Um jeito novo de programar em BASIC

Uma análise do Timex Sinclair 2068

O CP-400 TS2068 foi o único modelo de de ZX-Spectrum a aportar oficialmente em terras estadunidenses através da Timex Sinclair e que aproveitou para introduzir algumas mudanças interessantes ao projeto e este é o vídeo do Modern Vintage Game contendo uma simpática análise sobre o computador, trazendo história, de máquina desmantelada e até uma modificação para animar esta manhã de natal.

( Retro Computing no Google+ )

O retorno do pistoleiro…

Lançado pela Ultimate Play  The Game em 1985 o jogo Gunfright é um jogo de faroeste com visual isométrico onde você é o xerife da pequena e pacata cidade de Black Rock e sua missão de manter a lei e a ordem. O jogo saiu originalmente para ZX Spectrum mas também teve versões conversões para Amstrad CPC e MSX.

Agora em 2017 surge uma versão estendida dele, o Gunfright Returns – Reloaded (não sou eu quem dá os nomes), pela mãos dos mais intrépidos programadores russos deste lado do Mississípi. — TomCaT , GoodBoy, tiboh e Panda. Entre as novidades estão música de fundo*, efeitos sonoros, suporte a mouse nos mini-games, possibilidade de escolher cidades aleatórias etc.

(*) Tanto a música como os efeitos vieram da versão do Amstrad CPC.

( Indie Retro News )