Arquivos mensais: setembro 2017

vDriveZX, o microdrive para o seu Sinclair em 2017.

Se você é usuário dos micros criados por Sir Clive Sinclair (ZX-Spectrum, Sinclair QL, etc), é possível que você tenha tido contato com os microdrives. E todos os problemas, as agruras e as (poucas) alegrias de usar aquela fitinha rápida e sem fim para armazenamento de dados.
Pois então, foi desenvolvido o vDriveZX, uma solução que substitui o Microdrive por algo bem mais comum e eficiente nos dias de hoje: cartões SD. E o Retrogamescollector fez uma matéria longa, explicando sobre microdrives e seu substituto… E com direito a vídeos também. Dê um pulinho para ler.

Repórter Retro Nº 030

O Seu Repórter Retro

Bem-vindos a mais uma edição do Repórter Retro.

Ficha técnica:

  • Número do episódio: 30
  • Participantes: Ricardo, João, Cesar, Giovanni e Juan
  • Duração aproximada: 123 minutos
  • Músicas de fundo: Músicas de Gradius 2 e outras coisas
  • Download em ZIP

URLs do podcast:

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

Tandy Assembly!

Sim, sabemos que existe a CoCoFest, que é um encontro para os entusiastas do TRS-Color (ou CoCo, para os íntimos). Mas esse é um encontro para os entusiastas de um dos quarentões de 2017, o TRS-80 (sobre o qual vocês ouviram nos episódios 78 A e 78 B), e qualquer item relacionado à Tandy: TRS-80 Model 100, os IBM-PCs, o Tandy 1000, e por aí vai. O evento será no Christopher Conference Center, na cidade de Chillocothe, Ohio (EUA), nos dias 7 e 8 de outubro de 2017. Entre os palestrantes, Don French (sobre o qual falamos no episódio) e John Linville (entre outras coisas, chapa do Juan Castro). Entre as atividades, leilões, exposição e muito bate-papo.

Um dos acontecimentos que achamos curioso é que haverá uma mesa redonda de podcasters falando sobre os equipamentos da empresa texana. Não, não foi dessa vez que fomos convidados. E é uma pena que eu não não irei, teremos MSXRio na mesma data. Mas se você puder ir… Depois nos conte o que você viu e ouviu!

E a guerra pela marca Amiga que nunca acaba…

Vocês já devem ter ouvido a gente dizer que um dia (um dia…) nós tentaríamos decifrar todo o imbroglio sobre as patentes relacionadas ao Amiga. A Commodore fechou as portas em 1994, mas a confusão continua.

Pois é, e a chapa esquentou: Nos Estados Unidos e na Alemanha, os direitos sobre a marca expiraram, mas na Europa ainda não (só em maio de 2018), mas não se espera que seja renovada. Pois então, postulantes à propriedade da marca são a Hyperion Entertainment (AmigaOS 4) e a Cloanto (a empresa por trás da solução Amiga Forever, que falamos recentemente aqui no Retrocomputaria).
Continue lendo E a guerra pela marca Amiga que nunca acaba…

Retrobright – a saga – parte 4 de 4 (problemas e conclusões)

Problemas…

Remontando o teclado.

Bem, fui remontar o teclado… E o problema foi a barra de espaço. Como ela é muito grande, ela empenou. Se eu a deitasse numa mesa e apoiasse em um dos lados, o outro lado levantava. Empenou lateralmente, e também empenou “de cima pra baixo”. E agora, como corrigir?

Bem, primeiro peguei um pequeno torno, o mesmo secador de cabelos descrito anteriormente e tentei aquecê-la para colocá-la no seu lugar. Começou a detonar a parte de dentro da barra de espaço (mas também, o secador da madame é quase um soprador térmico!). Depois, parti para o Youtube, para ver mais vídeos a respeito. Um deles sugeriu esquentar água, colocar lá dentro (até amolecer o plástico), remover, forçar (com as mãos mesmo) e depois colocar numa tigela com água fria. Tentei isso, e melhorou um pouco.

Continue lendo Retrobright – a saga – parte 4 de 4 (problemas e conclusões)

Retrobright – a saga – parte 3 de 4 (explicações e o teclado)

Explicações

Segundo li e principalmente vi (devo ter assistido quase todos os vídeos sobre retrobright que há no Youtube), a ideia da caixa de papelão grande e do rolo de papel alumínio foi para maximizar a radiação ultravioleta do sol. Logo, a sugestão era forrar a caixa de papelão com papel alumínio, e colocar as peças dentro. Ao colocar a caixa no sol, o papel alumínio refletiria a radiação e “iluminaria” melhor a peça. Na prática, pouco adiantou o papel alumínio + a caixa de papelão. Logo, acho desperdício, não acho que seja necessário.

Continue lendo Retrobright – a saga – parte 3 de 4 (explicações e o teclado)