Episódio 73 – Microdigital – Parte B

retrocomputaria_vitrine_570x190

Sobre o episódio

Iniciando nossa série MSX TK CP raro único no MercadoLivre!, vamos contar a história da Microdigital com quem esteve lá – Cláudio Cassens.

Nesta parte do episódio

TK-3000 IIe, TK-3000 IIe Compact, TK-EXTended, TK Portable, LT 1600, Onyx, Onyx Jr, música, teclados, Vanral, calotes, causos e mais causos do nosso vilão especialmente convidado.

Ficha técnica:

  • Número do episódio: 73
  • Participantes: Ricardo, João, Cesar, Giovanni e Juan
  • Vilão especialmente convidado: Cláudio Cassens
  • Duração aproximada: 70 minutos
  • Músicas de fundo: Músicas de jogos das linhas fabricadas pela Microdigital
  • Download em ZIP

URLs do podcast:

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

6 comentários sobre “Episódio 73 – Microdigital – Parte B

  1. O governo do estado de São Paulo, na mesma época, também deu uma banana pro Amaral Gurgel o que culminou no fim de outra grande (e estrategicamente importante) empresa brasileira.

  2. Legal saber o destino da Microdigital,a tempos procurava essa informação.Tive um tk 2000 e ele apresentava um problema de travamento após alguns minutos ligado,sorte que tava na garantia mas tive que recorrer à assistência técnica umas três vezes,aliás a assistência técnica deles era muito ruim.

  3. O Cláudio citou a fábrica de semi-condutores da Philips em Recife que acabou na década de 90, e lembrei que eu estava lá quando isso aconteceu. Na época eu era programador na Origin C&P (do grupo Philips) mas fui alocado lá como suporte de redes Novell (eu era coringa mesmo) na licença maternidade de uma colega.
    Existiam duas fábricas a de lâmpadas automotivas e a de semi-condutores.
    Vieram um grupo de engenheiros e técnicos da China e passaram algumas semanas montando e desmontando (over and over) toda a maquinaria da fábrica, para aprender como fazer lá. Muita gente demitida. Mas reza a lenda (entre os técnicos da Philips que conversei) que durante esse tempo os chineses notaram que existiam muitos gatos pela fábrica (ela ficava no Curado, zona bem afastada de Recife) e que rolou o LITERAL churrasquinho de gato, segundo me disseram com o conhecimento da gerência que fez que não viu 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *